No âmbito do programa implementado no Centro para o Conhecimento do Petróleo relativo ao Ensino Experimental das Ciências, a ENMC tem vindo a receber alunos do 1º ao 3º ciclo do ensino básico, do Agrupamento de Escolas Vergílio Ferreira, com quem tem desenvolvido a Oficina de Ciência "Rochas e Minerais no nosso dia-a-dia".

"Rochas e Minerais no nosso dia-a-dia"

Embora a sociedade atual continue a depender essencialmente de recursos minerais, tanto para a produção de energia como para a produção dos mais variados materiais e equipamentos, incluindo aqueles utilizados diariamente, existe ainda um desconhecimento generalizado sobre a sua génese e utilidade.

O Homem usa, diariamente, para suprir necessidades permanentes de sobrevivência, recursos animais e vegetais, basta pensar na necessidade de se alimentar e hidratar. Assim, ovos, leite, carne, peixe, arroz, feijão, trigo, milho, algodão, centeio, cevada, frutas e legumes fazem parte da sua vida.

Mas, não tão evidentes e por vezes de presença mais difícil de perceber, os recursos de origem mineral são, igualmente, muito importantes e imensamente variados, como nestas ações de ciência se explica e sensibiliza. Estes, porém, têm uma fundamental diferença em relação àqueles de origem animal e vegetal: não são renováveis. Os processos de formação associados são tão lentos, quando comparados com a vida humana, que se consideram recursos finitos, ou seja, que se extraem uma vez só, de um determinado depósito e local.

De facto, o tempo necessário para a renovação e/ou formação de novos recursos minerais ocorre à escala dos milhões de anos, não se coadunando, portanto, o tempo necessário para o desenvolvimento dos processos geológicos, com a velocidade de consumo das atuais sociedades em contínuo crescimento e desenvolvimento.

Assim, a ENMC, no âmbito da promoção do conhecimento científico dos jovens alunos, tem prosseguido com as Oficinas Experimentais direcionadas aos recursos minerais e energéticos, áreas científicas pouco divulgadas no país.

Após breve introdução à Geologia e ao papel do geólogo, incluindo algumas das ferramentas, técnicas e metodologias aplicadas nos estudos de campo, os alunos participantes manipularam e examinaram amostras geológicas, recorrendo a equipamento laboratorial e a métodos expeditos, analisaram as propriedades e características que distinguem os vários tipos de rochas e minerais e abordaram a distribuição dos diferentes tipos de rochas em Portugal Continental. Ainda, e tendo em consideração a sua particularidade não renovável, foram apresentados os diferentes recursos minerais, metálicos, não metálicos e energéticos, e as diversas aplicações em tudo o que nos rodeia e consumimos ou utilizamos no nosso dia-a-dia, tendo os alunos observado e manuseado diferentes amostras de minerais e rochas e alguns objetos, materiais e equipamentos produzidos a partir dos mesmos. Paralelamente chama-se particular atenção, sensibilizando-se para o dever e obrigação do Homem promover e aplicar a regra dos 3 R's, sendo a reciclagem uma prioridade absoluta, uma vez que permitirá a produção de novos itens a partir de materiais/equipamentos usados, como se faz, por exemplo, com o alumínio das latas ou o vidro das garrafas. Aliada à reciclagem, a interiorização da importância da redução do consumo e a reutilização de materiais é igualmente abordada, enfatizando a necessidade de todos contribuirmos para preservarmos e cuidarmos da nossa casa comum - o planeta Terra.

De facto, o que se vive atualmente e tem de ser sensibilizado aos mais jovens, futuros herdeiros desta "casa", é que a Humanidade vive numa sociedade de economia de mercado, cuja preocupação predominante é produzir cada vez mais e com maior rapidez, de modo a conseguir-se o máximo lucro, no mais curto período de tempo, e que tal aspiração e avidez é incompatível com a capacidade de produção e regeneração da Terra.

Através da continuidade destas ações, a ENMC pretende contribuir para o conhecimento e para a sensibilização dos nossos jovens alunos, relativamente aos recursos naturais não renováveis e para o dever e obrigação de desenvolver a sua exploração sustentada do ponto de vista ambiental, económico e social, transmitindo-lhes simultaneamente regras básicas como as de Reciclar, Reduzir e Reutilizar.